sexta-feira, 29 de abril de 2016

O morro veio me chamar

Share
"Mangueira
Estou aqui na plataforma
Da Estação Primeira
O Morro veio me chamar
De terno branco e chapéu de palha
Vou me apresentar à minha nova parceira
Já mandei subir o piano pra Mangueira

A minha música não é de levantar
Poeira
Mas pode entrar no barracão
Onde a cabrocha pendura a saia
No amanhecer da quarta-feira
Mangueira
Estação Primeira de Mangueira"
Piano da Mangueira - Chico Buarque e Tom Jobim

quinta-feira, 28 de abril de 2016

88 anos da verde e rosa

Share

28 de Abril de 2016, dia de comemoração dos 88 anos da nossa Estação Primeira de Mangueira num ano muito especial em que alcançou o 19° título do carnaval carioca!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Sílvia Perez Cruz

Share

Voz magnífica, plena de vivências espanholas, as mais tradicionais e as contemporâneas. Tem um disco novo bastante envolvente e auspicioso. Recomendo!

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Na veia

Share

Marcelo D2 homenageando o seu e o nosso Rio maravilhoso. Grande som! O Rio é isso, entranha-se e passa fazer parte da nossa batida, da nossa vivência mesmo quando estamos longe.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Desenho de deus

Share

Lembro-me de um Verão há alguns anos em que esta música foi a banda sonora dessa temporada. Fazia parte de um disco ao vivo do Armandinho, o cantor surfista gaúcho. Agora a música ganhou uma nova versão onde o Armandinho se junta à banda reggae de Brasília, Natiruts e foi um fantástico motivo para voltar a escutar esta maravilha. Na linha do que o poema canta, o Armandinho devria estar namorando quando fez essa música. Desconfio que esta versão voltará a estar na trilha sonora deste Verão.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Mineira acariocada ou mineiroca

Share

Descoberta muito recente e muito inesperada até pois, aparentemente, tem estado em destaque lá pelos lados da cidade maravilhosa e já tem trabalho publicado desde 2011, data em lançõu o álbum "Te virar do avesso". É mineira de Belo Horizonte mas há seis anos que se deixou adoptar pelo Rio e por isso se auto-intitula mineiroca. Numa entrevista concedida ao jornal OGlobo desvenda uma curiosidade, quando visitou o Rio pela primeira vez, com 15 anos, tinha um desejo, conhecer a Rua Nascimento Silva 107, endereço referenciado na música de Vínicius de Moraes "Carta ao Tom", como a compreendo! É compositora e intérprete, chama-se Marcella Fogaça e tem um estilo bastante carioca. Um estilo praieiro na onda, descontraídamente cool e diria até, 100% carioca, iniciada pelo hawaiano Jack Johnson e onde também se pode incluir a cantora californiana Colbie Caillat. As suas músicas são leves e aprazíveis, estão longe de serem elaboradas e sofisticadas mas não deixam de ser apropriadas para momentos de pura descontração e ócio. Serão ótima companhia para uma saída de praia ou um belo vinho branco ao ar livre sem hora para para acabar numa interminável tarde de Verão. Eu já estou a planear vários momentos desses, é só o sol e o clima ajudarem e deixarem chegar a Primavera com sintomas de Verão, de uma vez por todas, a este lado do Atlântico.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Memórias

Share
Já lá vão bastantes anos. Foi ainda no século passado que o meu amigo Manel decidiu realizar um dos seus sonhos e lançar um disco que mostrava não só o seu trabalho como músico e cantor mas também como autor. Foi um álbum que, infelizmente, passou despercebido no panorama musical português da altura apesar de ser a fase mais popular do Manel pois conciliava a sua carreira de músico no circuito de bares de música ao vivo de Lisboa com uma carreira de actor na televisão. Eram os tempos das grandes noites no minúsculo Berro, ali para os lados de Santos, onde cabiam sempre mais 4 ou 5 apesar de já estar tudo em pior situação do que há hora de ponta no metro em dia de greve da Carris. Foi pena e até injusto pois foi um disco com bastante qualidade e muito consistente em que a grande maioria das músicas eram fortes o suficiente para serem escolhidas para música de promoção do disco. Apesar de tudo, algumas das músicas foram, posteriormente, escolhidas para fazer parte de algumas telenovelas e, recordo-me de uma série também mas, mesmo com isso, foi muito pouco para a qualidade que o trabalho possuía. Digo isto com todo o tipo de influência por o considerar um dos meus grandes amigos, obviamente, mas também o digo porque é a mais pura das verdades, pelo menos, na minha opinião, que vale o que vale, ou seja, muito pouco. Mesmo assim e porque encontrei há tempos uma relíquia desse tempo, o único videoclipe que fizeram dese trabalho, não quis deixar de o deixar registado neste álbum de vivências que vou colecionando. A música chama-se "Sombras de ti", não é a música que mais gosto do disco mas é uma amostra bastante fiel e representativa do estilo e da qualidade do trabalho. A banda do projeto chamou-se Traço D'Alma e, infelizmente, teve uma existência bastante efémera.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

10 anos é tempo demais

Share
Fernanda Abreu não lança disco nenhum há, precisamente, 10 anos. Chamava-se "MTV ao vivo" e, se quisermos contar os anos desde o seu último disco de originais, então temos de recuar até 2004 quando saiu o disco "Na paz", ou seja, 12 penosos anos sem música nova desta senhora que tem já 54 anos de idade mas, há que frisar, todos os 54 em excelente condição como qualquer mulher carioca que se preza.
Finalmente, no próximo dia 6 de Maio, sairá "Amor geral", aquele que será o seu oitavo disco desde que começou a sua carreira a solo de pois do fim da Blitz.
A Fernanda é mais uma artista de quem sou fã incondicional e tenho esperado ansiosamente pela primeira amostra deste tão aguardado e até desejado trabalho. Finalmente saiu, em forma de videoclipe, o tema tem o nome de "Outro sim" e, para começar, está ótimo. Músca com pegada, poema bonito e uma Fernanda Abreu em grande forma conjugando a sua voz meio adstringente e com forte aroma, como um bom vinho, com a sua outra paixão e arte, a dança. A música e o clipe têm tudo a ver com ela e com a sua imagem como artista.
Para começar não havia que pedir mais mas a expetativa para o disco aumentou.



"Outro Sim
Outrora, outra vez, outro lar
Outro lugar, outra mulher, outro homem
O trem vai pra uma outra estação
Um outro inverno e lá vem outro verão

Ao outro tanto a ti quanto a mim
Um outro bem, um outro amor, outrossim
Não é fácil aceitar alguém
E ser aceito pelo outro também

Sempre haverá outra esquina
Outra beleza, outro cara, outra mina
Sempre haverá um mané, sem noção, um otário
Querendo atrasar

Sempre haverá outro dia
Ensolarado e outra noite vadia
Sempre haverá outra chance
Outra mão ao alcance querendo ajudar

Outra favela, novela
Outro barraco, buraco
Outra cachaça, manguaça em outro bar
Outro marido traído
Outra esposa ansiosa
Outra amante excitante querendo dar

Outra cabeça, sentença
Outro recanto, encanto
Outra viagem, vertigem em outro mar
Outro sentido ou saída
Outra maneira ou medida
De dar a volta por cima, querendo dar"
Outro sim - Fernanda Abreu

sexta-feira, 15 de abril de 2016

E porque hoje é sexta-feira e ela está em Barcelona

Share
A C. adora esta música, prefere a versão original da italiana Mina mas, para mim, nada supera Marisa Monte mesmo que ela interprete a cançaõ mais brega que houver no mundo.
A música chama-se "Sono come tu mi vuoi" quequer dizer "Sou como você me quer" o que não é exatamente o que acontece na nossa relação. Provavelmente a C. ficaria muito mais feliz se eu conseguisse limar algumas das minhas características ou até eliminar algumas delas de uma vez por todas e encontrar uma forma de acrescentar doses extra de outras. Mas, no final é que somos felizes da nossa maneira.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

"Vou sendo como posso"

Share
"Vou mostrando como sou
E vou sendo como posso,
Jogando meu corpo no mundo,
Andando por todos os cantos
E pela lei natural dos encontros
Eu deixo e recebo um tanto
E passo aos olhos nus
Ou vestidos de lunetas,
Passado, presente,
Participo sendo o mistério do planeta"
Mistéro do Planeta - Novos Baianos

Foi um dos meus concertos preferidos do ano passado, Rodrigo Amarante mostrando o seu novo disco e com este momento maravilhoso interpretando uma grando música dos Novos Baianos.

sexta-feira, 8 de abril de 2016

"Não vou pro batente amor, amanhã é sábado!"

Share
Martinho da Vila e Roberta Sá, uma maravilha. Samba do bom na comunhão de duas gerações.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Um dia após o outro

Share
Tenho andado a precisar de ouvir isto várias vezes ao dia.

"Pra começar
Cada coisa em seu lugar
E nada como um dia após o outro

Pra quê apressar?
Se não sabe onde chegar
Correr em vão se o caminho é longo

Quem se soltar, da vida vai gostar
E a vida vai gostar de volta em dobro"
Tiago Iorc - Um dia após o outro


sexta-feira, 1 de abril de 2016

Voz tremenda!

Share
São claras a inspiração e influência soul do também tremendo Tim Maia e das cantoras negras americanas. Chama-se Liniker e o pai queria que ele fosse jogador de futebol, daí o nome mas o erro ortográfico inocente, provavelmente era já o prenúncio de que o destino apontava para uma direção muita contrária aquela que o pai tinha desejado nos seus sonhos.
Liniker se apresenta como "bicha, preta e pobre" e diz que faz MPB, música preta brasileira e compõe uma personagem disruptiva e até provocatória mas também de afirmação e de inclusão.
Uma coisa é certa a sua voz poderosa e a sua postura são profundamente musicais e a qualidade da sua música e da sua voz é inquestionável