quinta-feira, 14 de setembro de 2017

O aniversário agridoce

Share

Arlindo Cruz faz hoje 59 anos mas, infelizmente, não irá poder comemorar pois continua hospitalizado desde março, quando sofreu um acidente vascular cerebral. Tem sido incrível a onda de solidariedade que insiste em desejar a rápida e plena recuperação do bamba mais bamba dos bambas. Alô Madureira!

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

A melhor notícia dos últimos 15 anos :) Os Tribalistas estão de volta!

Share

Há uns meses começou a adivinhar-se algo deste género. Nas redes sociais, os três companheiros deste projeto, Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown, começaram a aparecer juntos apesar da sua intensa agenda individual. E de repente, do nada, fazem um live no Facebook e apresentam os 4 primeiros temas do disco. Este trabalho está em linha com o anterior e, pelo menos desse ponto de vista, não surpreende, no entanto, é um trabalho de grande bom gosto e qualidade que traz muitas emoções a todos os fãs deste maravilhoso projeto. A principal novidade, na minha opinião, tem a ver com Portugal pois inclui a participação da cantora portuguesa Carminho que está cada vez com maior reputação no outro lado do Atlântico. A sua amizade e cumplicidade com a Marisa já tem algum tempo e, depois de lançar um disco interpretando Jobim, nada mais relevante que ser a única outsider a participar neste projeto. Ouçam e façam como eu, ouçam mais vezes.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Até sempre Mestre das Neves

Share

No passado sábado recebi a triste e dolorosa notícia da morte do Mestre Wilson das Neves. Confesso que há muitos anos que tenho uma enorme admiração por este gigante artista. Baterista, cantor, ritmista e compositor, wilson é uma figura de destaque no samba e na na sua escola do coração, a Império Serrano. A sua morte é mais uma grande perda mna música brasileira e, em particular no samba que já perdeu, este ano, Amir Guineto, Luiz Melodia e sofre profudamente com o estado em que se encontra o grande Arlindo Cruz há vários meses. Conheci-o tarde, musicalmente, graças à sua participação na maravilhosa Orquestra Imperial onde o Mestre era, naturalmente, o avó deles todos e, ao mesmo tempo, aquele que denotava ser a maior criança devido ao seu jeito traquina e sempre brincalhão. Consegui conhecê-lo pessoalmente, estive a conversar brevemente com ele duas vezes e cheguei a assistir a um concerto dele aqui em Lisboa onde tirei a foto que está aqui. O Mestre embirrava solenemente com o barulho de conversa nos seu shows e não perdoava, chamava a atenção de quem o fazia e mandava calar com o seu jeito malandro e provocador próprio de quem é carioca da gema e que nunca será mané. Compôs com o seu companheiro de composição, Paulo César Pinheiro, lindos sambas que depois interpretou mas também trabalhou com outros monstros, nomeadamente, Aldir Blanc, Moacyr Luz e tocou, como baterista, na banda do Chico Buarque durante mais de 30 anos, desde 1982. É seu e de Paulo César Pinheiro o lindo samba "O samba é meu dom" que ele próprio popularizou e tinha um hábito nos seus shows que segui escrupolosamente, em cada música que cantava, antes, apresentava os respetivos autores demonstrando um respeito e uma admiração genuína por quem cria coisas bonitas. Sei de diversas estórias hilárias da sua pessoa, o que aumentava ainda mais a sua aura de atração, a última foi-me contada por um amigo próximo que quer muito de reeditar um dos primeiros trabalhos do Mestre como solista, o segundo acho, que se chama "Som quente é o das Neves" e falou pessoalmente com ele para lhe solicitar autorização. Resposta do Mestre, "Meu filho para que é que você vai fazer isso?! Esse disco é uma merda!" Vai deixar muitas saudades mas o seu som quente vai continuar a tocar pois som quente é o seu, Mestre! Mas, infelizzmente, desde sábado, vai ficar faltando você, Mestre Wilson.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Caetano 75

Share

O Caetano Veloso celebra hoje o seu aniversário e a bonita idade de 75 anos. E foi quase ahá vinte anos que eu o vi pela primeira vez ao vivo e que me apaixonei verdadeiramente pela sua música. Apesar de já gostar há muito do seu trabalho este concerto na Expo 98 em Lisboa foi um momento extremamente marcante na minha vida e lembro-me dessa noite como se fosse hoje, as filas horríveis para chegar, o caos e inferno que foi encontrar um lugar para estacionar, as filas para entrar no recinto, o mar de gente ali ao lado do Rio Tejo na antiga Praça Sony, uma noite de Verão quente e acolhedora e um concerto magnífico que, todos os que estávamos a assistir, desejávamos que nunca acabasse. Era a tournée após o lançamento do disco de originais "Livro", trabalho muito elogiado pela crítica especializada e que foi, posteriormente, indicado para o prêmio "Grammy Latino". Desse disco resultou a tournée "Prenda minha" que deu origem a um disco ao vivo maravilhoso com o mesmo nome. Apesar de acompanhar a sua carreira e gostar de alguns dos seus temas mais populares este concerto e posteriormente o disco foram determinantes para a importância que a música e o trabalho de Caetano passaram a ter na minha vida. A "prenda minha" foi e continua uma prenda constante na minha vida, não posso dizer que seja a minha prenda mas é uma delas e das mais importantes.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Luiz Melodia

Share

Hoje não é só o Estácio que está a chorar, é todo o samba. Luiz Melodia, Holly Luiz Melodia. Sempre achei a voz de Luiz Melodia uma das voces mais enternecedoras do samba e ele, como pessoa, parece-me que sempre fez jus ao nome artístico que escolheu. Melodia era, de facto, o retrato da sua personalidade e postura. É uma perda irreparável para a boa música. Dia triste. Salve Luiz! "A saudade me dói, no meu peito me rói..."

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Será que é tudo culpa do amor

Share

A Mallu Magalhães tem novo trabalho, o disco chama-se "Vem" e é claramente um disco que vai marcar profundamente a história da sua carreira e da música de língua portuguesa. É um álbum incrível, pleno de excelentes razões para se escutar até ao limite. É um trabalho cheio de maturidade desta ainda jovem música e compositora que demonstra muito bem, não só a qualidade inerente que se tem materializado nos seus diversos trabalhos mas também, um salto reluzente e inquestionável na materialização do seu talento. O crítico musical Mauro Ferreira que escreve no jornal "O Globo" e nas suas plataformas digitais refere que a Mallu "expõe toda a coragem dos 24 anos no melhor álbum da carreira, "Vem", clássico instantâneo da música pop brasileira de alcance universal." E eu não posso concordar mais com ele. Com produção do seu marido Marcelo Camelo, mais uma vez, se demonstra que a cumplicidade e a intimidade como casal transpira para o trabalho de ambos e quase apetece perguntar se toda esta brilhante criação será tudo culpa do amor. "culpa do amor" é um dos temas do álbum que merece a pena ser ouvido do princípio ao fim e muitas vezes.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Poderoso

Share

Maria Rita e Marcelo Falcão. "O espaço é curto quase um curral na mochila amassada uma quentinha abafada meu troco é pouco é quase nada" Rodo Cotidiano - O Rappa